fbpx

Vacina do HPV: tipos e sintomas da doença

10 minutos para ler

O HPV é um vírus que pode ser transmitido por relações sexuais, portanto, é considerado como uma DST. Neste conteúdo você será apresentado aos sintomas da doença, maneiras de prevenção, vacinas disponíveis e muito mais. Confira o material completo. Boa leitura! Neste conteúdo, você verá:

• O que é o HPV;
• Sintomas da doença;
• A vacinação contra o HPV;
• Formas de prevenção;
• Quem deve tomar a vacina contra o HPV. O que é o HPV? HPV é uma sigla inglesa para “Papiloma Vírus Humano” e é um tipo de vírus que infecta a pele e as mucosas. Pode causar verrugas ou algumas lesões precursoras de câncer, como por exemplo: câncer de colo de útero, garganta ou ânus. Cada tipo pode causar lesões em diferentes partes do corpo da pessoa infectada. Esse vírus é transmitido, em geral, pelo contato de pele com pele. A maneira mais comum de transmissão é por meio de relações sexuais. Justamente por isso, é uma doença que pode ser considerada como uma DST (doença sexualmente transmissível). De uma maneira mais rara, é possível que o vírus seja transportado por meio de algum objeto. O HPV pode ser transmitido mesmo que a pessoa não perceba nenhum sintoma da doença. É uma infecção a qual é muito difícil saber quando ou como a pessoa a contraiu, pelo fato de os sintomas normalmente se manifestarem entre dois a oito meses após o indivíduo ser infectado. Há casos, também, em que o vírus fica encubado, ou seja, presente no organismo, mas sem se manifestar, por até 20 anos. Sintomas do HPV Os sinais aparecem em diferentes partes do corpo humano e, o principal é o surgimento de verrugas ou lesões na pele. Normalmente é uma mancha branca ou acastanhada, bem pequena e que coça. Porém, muitas vezes, a lesão não pode ser vista a olho nu. Aparece em exames como colposcopia, vulvoscopia e peniscopia. Veja as partes do corpo mais comuns do surgimento do HPV:

Mulheres: as lesões costumam desenvolver-se na vulva, vagina e colo do útero;

Homens: o local mais comum para o aparecimento do HPV é o pênis;

Ambos os gêneros: o vírus pode se manifestar na boca, garganta, mãos, pés e no ânus. Para que serve a vacina contra o HPV? A vacina contra o HPV é dada em forma de injeção e tem como finalidade prevenir as doenças causadas pelo vírus. Como ocorre em qualquer tipo de vacina, ao ser imunizado o sistema imune do indivíduo produz os anticorpos que são necessários para combater o vírus. Dessa maneira, caso a pessoa venha a contrair o vírus, graças à substância, ela não desenvolve a doença. Sendo assim, está protegida. Formas de prevenção contra o HPV Por ser uma doença sexualmente transmissível, uma forma de prevenção extremamente importante é o uso de preservativos em relações sexuais e este não deve ser “deixado de lado”. Outra maneira de prevenir o HPV é a vacinação. A vacina, como dito anteriormente, estimula a produção de anticorpos específicos para cada tipo de HPV. Essa proteção depende, também, de alguns outros fatores: quantidade de anticorpos produzidos, a presença desses anticorpos no local da infecção e a sua persistência durante um longo período de tempo. Quem deve tomar a vacina contra o HPV? Veja abaixo quem deve tomar a vacina de HPV e a idade ideal:

 

• Vacina quadrivalente: para meninas e mulheres com idade entre 9 e 45 anos;

• Vacina bivalente (Cervarix): para meninas e mulheres de qualquer idade acima dos 9 anos;

• Vacina quadrivalente (Gardasil): para meninos e homens com idade entre 9 e 26 anos;

• Vacina nonavalente (Gardassil 9): para meninos, meninas, homens e mulheres com idade entre 9 e 26 anos. Importante ressaltar que, mesmo as pessoas que fazem tratamento, ou que já tiverem infecções pelo HPV, podem tomar a vacina. Ela poderá proteger contra outros tipos desse vírus, além de prevenir a formação de novas verrugas genitais e riscos de câncer. Converse com o seu médico para saber quais vacinas são indicadas. Tipos de vacinas do HPV Quadrivalente

• Protege contra os vírus 6, 11, 16 e 18;
• A vacina oferece a proteção contra verrugas genitais, câncer do colo do útero, câncer do pênis ou do ânus;
• São feitas três doses da vacina. A segunda dose é feita dois meses após a primeira aplicação e a terceira é feita após seis meses, em relação à primeira dose. Em crianças, o efeito de proteção pode ser obtido com apenas duas doses. Bivalente

•  Protege contra os vírus 16 e 18;
•  Nesse caso, a vacina oferece a proteção contra o câncer de colo de útero, mas não contra as verrugas genitais;
•  São realizadas duas doses da vacina, com intervalo de 6 meses entre elas, quando a vacinação é feita até os 14 anos de idade. Para pessoas acima dos 15 anos, são feitas três doses, com o intervalo de um mês entre a segunda dose e a primeira, e a terceira é realizada 6 meses após a primeira. Nonavalente

• Protege contra 9 subtipos do vírus do HPV: 6, 11, 16, 18, 31, 33, 45, 52 e 58;

• A vacina nonavalente oferece proteção contra o câncer de colo do útero, vagina, vulva e ânus, bem como contra verrugas provocadas pelos vírus;

• Devem ser administradas duas doses, caso a vacinação seja realizada até os 14 anos de idade. Nessas situações, a segunda dose deve ser feita entre 5 a 13 meses após a primeira. Em casos nos quais a vacina é administrada após os 15 anos de idade, devem ser aplicadas três doses. A segunda será aplicada dois meses após a primeira e a terceira após seis meses. Pessoas que não devem tomar a vacina contra o HPV Veja abaixo os casos nos quais a vacina do HPV não deve ser administrada:

• Gestantes: não deve ser aplicada a vacina em mulheres grávidas. Contudo, após o nascimento do bebê, a imunização pode ser administrada, sob orientação do obstetra; Quando o paciente apresenta alergia a algum componente da vacina;

• Em caso de febre ou doença aguda;

• Em casos de redução do número de plaquetas e problemas de coagulação sanguínea.

Posts relacionados

Deixe um comentário