fbpx

Tudo o que você precisa
saber sobre vacinação

Conteúdo completo =)

Vacinar-se é extremamente importante. Não sabe o porquê? Então está no lugar correto. Neste material você terá amplo contato com assuntos a respeito das vacinas. Desde um contexto mais histórico até a importância de imunizar-se. Apresentaremos como surgiram, quando, quem inventou, calendário de vacinação e muito mais. Ao final deste conteúdo, com certeza, muitas de suas dúvidas serão sanadas. Boa leitura!

Neste conteúdo, você verá:

• Surgimento das vacinas (exclusivo no eBook);
• O que é uma vacina (exclusivo no eBook);
• Como a vacina age no corpo;
• A importância da vacinação;
• A capacidade da vacinação de erradicar doenças;
• Reações alérgicas em crianças pequenas;
• Calendário de vacinação;
• Novas tecnologias para vacinação.

Como as vacinas agem no corpo?

A principal função de uma vacina é estimular o organismo a produzir anticorpos contra uma determinada doença, sem que necessariamente a pessoa já tenha ficado doente antes. Pelo fato de ocorrer a inserção do vírus ou bactérias mortos, previamente atenuados ou fragmentos, o ser humano não contrai a doença, ou seja, ao vacinar-se contra a febre amarela, a pessoa não contrai a doença, é apenas uma “apresentação” da bactéria (ou vírus) ao sistema imune para que anticorpos sejam produzidos.

Além disso, o organismo produz algumas células de memória. Isso significa que ao ocorrer a exposição do mesmo antígeno, no futuro, essas células possuem a capacidade de produzir anticorpos mais rapidamente. Isso significa que a vacina atua como agente preventivo e, portanto, deve ser utilizada antes do contágio.

Uma vacina, em geral, age contra um único germe. Para ficar mais claro, um exemplo prático é: uma pessoa vacina contra o tétano, não estará protegida contra o sarampo, e vice-versa. Para estar imune às duas doenças, é preciso vacinar-se contra ambas.

Existem algumas vacinas que são conjuntas, ou seja, são duas ou mais vacinas dadas em uma única administração. A vacina pentavalente é uma delas. É composta por cinco vacinas em uma única administração: difteria, tétano, coqueluche, meningite e hepatite B. O sistema imune é estimulado de maneira conjunta, contra todos os vírus presentes na injeção. Contudo, é fundamental salientar que não são todas as vacinas que podem ser aplicadas em conjunto.

O que são vacinas inativadas?

Provavelmente você já deve ter escutado falar a respeito dessas vacinas inativas. Basicamente, são produzidas com germes mortos ou somente algumas parte deles. Esse tipo de imunização é uma maneira muito mais segura, entretanto, possui uma capacidade de imunização mais baixa. O resultado disso é que será necessária a aplicação de mais de uma dose da vacina para criar uma proteção prolongada. É importante ressaltar que, em alguns casos, a imunização desaparece após alguns anos, sendo necessária a aplicação de doses de reforço.

Alguns exemplos de vacinas com vírus ou bactérias inativas, são:

• Pólio;
• Cólera;
• Raiva;
Hepatite A.

Qual a importância das vacinas?

Como dito acima, a vacina atua em nosso organismo como agente preventivo de doenças. Além disso, é importante vacinar-se por quê:

doencas-vacinas5

Reduz o número de casos de determinadas doenças infecciosas.

doencas-vacinas4

Diminui o número de hospitalizações.

doencas-vacinas6

Reduz gastos com medicamentos.

doencas-vacinas7

Reduz a mortalidade e erradica doenças.

Vacinas podem erradicar doenças?

Bom, ficou claro que a função das vacinas é prevenir a população contra vírus ou bactérias de determinada doença. A partir disso, na medida em que a população é imunizada os índices de transmissão e contágio caem. O ideal é que os números reduzam consideravelmente, até que nenhum caso seja registrado, em consequência da imunização de toda a população.

Claro, é bem difícil imaginar que seja possível proteger toda a população, mas, por outro lado, a vacinação tem dado resultados no Brasil e no mundo. Por aqui, por exemplo, algumas doenças foram erradicadas, como: Poliomielite e a Varíola. Isso graças às aplicações de vacinas.

Reações alérgicas em crianças pequenas

Um dos maiores medos dos pais com seus pequenos tem nome: calendário de vacinas obrigatórias. Mas esse medo não se resume apenas às agulhadas, e sim, com as reações alérgicas que os pequenos podem ter. Essas reações podem variar bastante, de acordo com o tipo e gravidade.

Veja as reações mais comuns de aparecerem nas crianças que são vacinadas:

vermelhidao

Vermelhidão

choro

Irritabilidade

coceira

Coceira

falta-de-apetite

Falta de apetite

febre-alta-vacinas

Febre alta ou moderada

dor-no-local

Dor no local

sono

Sono excessivo

choro-2

Choro

Todas as reações citadas acima, geralmente, acontecem no intervalo de 14h a 48h após a aplicação da imunização. Porém, há casos nos quais as crianças sofrem um pouco mais do que é de costume. Justamente por isso, é fundamental que eles fiquem em estado de observação constantemente, após tomarem as vacinas.

Caso os pais notem algumas reações como vômitos, dificuldades na respiração, erupções na pele do bebê, é necessário procurarem diretamente um médico. Confira as reações mais comuns que podem aparecer nas crianças de até 2 anos de idade:

BCG

A reação pode variar de uma semana até 2 meses após a aplicação. Caso surja um nódulo avermelhado, não é motivo para preocupações. Pode ser que se torne uma ferida e, logo será coberta por uma casquinha seca e se tornará uma cicatriz. Inclusive, tudo isso é um sinal de que a vacina fez efeito.

Hepatite B

Geralmente, não há reações alérgicas. Uma porcentagem muito pequena dos bebês pode apresentar febre baixa, um pouco mais de irritações e sensibilidade.

HiB (Haemophilus influenzae b)

São poucos os casos que ocorrem reações nos bebês. Caso seu filho fique febril, procure seu médico sobre a utilização de antitérmicos.

Influenza

Não causa reações por ser produzida com o vírus morto. O que ocorre é apenas uma vermelhidão na região em que foi aplicada a vacina.

Sabin

Essa é uma vacina que pode ser aplicada via oral. É bem incomum que ela provoque algum tipo de reação alérgica na criança.

Tríplice DPT

A reação mais comum, no dia da aplicação da vacina, é a febre de intensidade variada. Ela pode permanecer até o segundo dia. Caso seja uma febre muito alta, seu médico prescreverá antitérmicos para o bebê. As nádegas da criança (local de aplicação da vacina) poderão ficar doloridas, avermelhadas, inchadas ou endurecidas. Para resolver esse problema, pequenas compressas de água quente podem aliviar o desconforto e a dor.

Tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola)

Nessa vacina, a reação febril pode aparecer em um intervalo de cinco a doze dias após a vacinação. Caso haja febre alta, procure um médico. Ele prescreverá o uso de antitérmicos para controlar a temperatura. É possível, também, o surgimento de manchas vermelhas. Elas aparecem de duas formas: no local da aplicação ou no corpo todo.

Calendário
de vacinação
infantil

BCG (Bacilo Calmette-Guerin)

Previne as formas graves de tuberculose, principalmente miliar e meníngea (dose única).


Hepatite B

Previne hepatite B (1ª dose).

Hexavalente: protege contra 6 (seis) tipos de vírus em uma única vacina. Proteínas do vírus – menos reação: Difteria, Tétano, Coqueluche (DTPa), Haemofilus Influenza B, Polio e Hepatite B.


Poliomielite – (VIP): Previne poliomielite ou paralisia infantil (1ª dose).

Pneumocócica 13v: 13 (treze) tipos de pneumococos


Rotavírus Pentavalente – 5 (cinco) tipos de vírus

Previne diarreia por rotavírus (1ª dose).

Duas ou três doses dependendo da vacina utilizada. 

Meningocócica B

Podendo ser iniciada a partir do terceiro mês ou conforme orientação médica


Meningocócica ACWY

Duas ou três doses dependendo da vacina utiliza.

Hexavalente: protege contra 6 (seis) tipos de vírus em uma única vacina. Proteínas do vírus – menos reação: Difteria, Tétano, Coqueluche (DTPa), Haemofilus Influenza B, Polio e Hepatite B.


Poliomielite – (VIP): Previne poliomielite ou paralisia infantil (1ª dose).


Pneumocócica 13v: 13 (treze) tipos de pneumococos


Rotavírus Pentavalente – 5 (cinco) tipos de vírus

Previne diarreia por rotavírus (1ª dose).

Duas ou três doses dependendo da vacina utilizada. 

Meningocócica B

Podendo ser iniciada a partir do terceiro mês ou conforme orientação médica


Meningocócica ACWY

Duas ou três doses dependendo da vacina utiliza.

Hexavalente: protege contra 6 (seis) tipos de vírus em uma única vacina. Proteínas do vírus – menos reação: Difteria, Tétano, Coqueluche (DTPa), Haemofilus Influenza B, Polio e Hepatite B.


Vacina inativada poliomielite (VIP)

Previne poliomielite ou paralisia infantil (1ª dose).


Pneumocócica 13

Previne pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pelo Pneumococo (1ª dose).


Rotavírus Pentavalente – 5 (cinco) tipos de vírus

Previne diarreia por rotavírus (1ª dose).

Duas ou três doses dependendo da vacina utilizada. 


Influenza (Gripe)

Meningocócica B

Podendo ser iniciada a partir do terceiro mês ou conforme orientação médica


Meningocócica ACWY

Duas ou três doses dependendo da vacina utiliza.

Febre amarela

Previne a febre amarela (dose única).

Tetra Viral (Sarampo, Caxumba, Rubéola e Varicela) 

1ª dose


Hepatite A Infantil

1ª dose


Pneumocócica 13

Reforço


Meningocócica ACWY

Reforço


Meningocócica B

Reforço


Poliomielite Oral

Vírus Vivos Atenuados – Somente em dias nacionais de vacinação

Pentavalente

Difteria, Tétano, Coqueluche (DTPa), Haemofilus Influenza B (HIB) e Polio.

Reforço


Tetra viral

Reforço

DTP

Difteria, tétano e coqueluche (2º reforço).


Vacina oral poliomielite (VOP)

Previne poliomielite ou paralisia infantil (2º reforço).


Varicela atenuada

Previne varicela/catapora.

Meningocócica ACWY

2º reforço

Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).
Converse com o seu médico para saber quais vacinas são indicadas.

Calendário
de vacinação
do adolescente

HPV

Previne o papiloma, vírus humano que causa cânceres e verrugas genitais (duas doses com o intervalo de 6 meses).

HPV

Previne o papiloma, vírus humano que causa cânceres e verrugas genitais (duas doses com o intervalo de 6 meses).

Hepatite B

(três doses, de acordo com a situação vacinal).

Febre amarela

(uma dose se nunca tiver tomado a vacina).

Dupla adulto

Previne difteria e tétano (reforço a cada 10 anos).

Tríplice viral

Previne sarampo, caxumba e rubéola (duas doses, a depender da situação vacinal anterior);

Pneumocócica 23 valente

Previne pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pelo Pneumococo (uma dose a depender da situação vacinal). Essa vacina está indicada para grupos/alvo específicos.

Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).
Converse com o seu médico para saber quais vacinas são indicadas.

Calendário
de vacinação
do adulto

Novamente reforçamos que o calendário de vacinação deve estar sempre em dia. Tal atitude contribui com a saúde de quem está vacinado e com a dos outros também. Afinal, quanto mais pessoas se vacinarem, menor o índice de transmissão da doença.

Hepatite B

(três doses, de acordo com a situação vacinal).


Febre amarela

(dose única, verificar situação vacinal).


Tríplice viral

Previne sarampo, caxumba e rubéola (se nunca vacinado: duas doses, de 20 a 29 anos e 1 dose de 30 a 49 anos).


Dupla adulto (DT)

Previne difteria e tétano (reforço a cada 10 anos).


Pneumocócica 23 valente

Previne pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pelo Pneumococo (uma dose é indicada para grupos/alvo específicos a depender da situação vacinal).

Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).
Converse com o seu médico para saber quais vacinas são indicadas.

Calendário
de vacinação
do idoso

Além da campanha de vacinação contra gripe, existem algumas outras vacinas disponíveis para pessoas com mais de 60 anos.

Hepatite B

(três doses, de acordo com a situação vacinal).


Febre amarela

(dose única, verificar situação vacinal).


Dupla Adulta

Previna difteria e tétano (reforço a cada 10 anos).


Pneumocócica 23 valente

Previne pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pelo Pneumococo (reforço a depender da situação vacinal). A vacina está indicada para grupos/alvo específicos, como pessoas com 60 anos e mais não vacinados que vivem acamados e/ou em instituições fechadas.

Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).
Converse com o seu médico para saber quais vacinas são indicadas.

Calendário
de vacinação
da gestante

As vacinas para gestantes são essenciais para prevenir os riscos de doenças para a futura mãe e para o bebê. Porém, elas não podem tomar as mesmas vacinas que os outros adultos, então, existe um esquema vacinal especial para mulheres grávidas, confira:

Hepatite B

(três doses, de acordo com a situação vacinal).


Dupla adulto (DT)

Previne difteria e tétano (três doses, de acordo com a situação vacinal).


dTpa (tríplice bacteriana acelular do tipo adulto)

Previne difteria, tétano e coqueluche (uma dose a cada gestação a partir da 20ª semana de gestação ou no puerpério – até 45 dias após o parto).

Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).
Converse com o seu médico para saber quais vacinas são indicadas.

Novas tecnologias para auxiliar a vacinação

Bom, você pôde perceber o quão importante são as vacinas, não só para um indivíduo, mas para uma comunidade como um todo. E, apesar disso, muitas pessoas se opõem à imunização, por diversos fatores, sendo o principal deles, o medo. A partir disso, cada vez mais, laboratórios têm investido em meios para que a experiência da vacinação não seja algo traumático para o paciente.

O desconforto diante da agulha é extremamente comum entre homens e mulheres. E, quando pensamos em vacinação em crianças, o cenário é ainda pior. Justamente por isso, a novidade encontrada em muitos laboratórios que realizam a aplicação de vacinas é a utilização da realidade virtual como auxílio em todo o processo de imunização.

Funciona assim: o paciente, ao entrar no consultório, recebe os óculos VR. A partir disso, ele é inserido em um universo lúdico e cheio de aventuras. Durante a interação com o mundo virtual, o profissional responsável pela aplicação da vacina acompanha a mesma história através de uma espécie de visor. O objetivo é atuar em harmonia com a história, dando a impressão ao paciente de que ele faz parte realmente daquele universo.

A aplicação da vacina ocorre em sincronismo com a história, dessa maneira, aliviando as sensações de insegurança e medo. Afinal, enquanto em todo o processo de vacinação, o paciente fica entretido com a história transmitida através dos óculos de realidade virtual.

Essa nova tecnologia é extremamente aliada da vacinação. Facilita os processos e alivia a tensão do paciente. O medo de agulha é deixado de lado pela interação com todo o enredo que é apresentado ao paciente.

Ligue-me

Piracicaba/SP

Av. Independência, 841 – Bairro Alto

3371-6284

Americana/SP

Rua Domingos Nardini, 54 – Vila Pavan

tel-34712294

Limeira/SP

Rua Barão de Campinas, 1030 – Centro

1934528100