fbpx

Doenças comuns na infância

2 minutos para ler

Transmitidas por vírus, algumas doenças se manifestam principalmente durante a infância e requerem cuidados especiais para evitar sequelas ou o contagio para outras pessoas. O melhor método para prevenir é manter a carteira de vacinação da criança em dia e procurar um especialista caso apareça algum sintoma.

Confira a seguir as principais características dessas doenças:

• Catapora: doença causada pelo vírus da herpes, tendo como principais sintomas febre e pequenas manchas e bolhas vermelhas na pele. É contagiosa enquanto as bolhas não estão cicatrizadas, através do contato com outra criança portadora do vírus. Doença mais comum na infância, a catapora é autoimune, isto é, depois de contraído uma vez o vírus, ele permanecerá no organismo e causará a imunidade. O tratamento consiste em remédios para febre, mas não existe um medicamento específico para o combate.

• Caxumba: é transmitida pela respiração e causa a inflamação das glândulas responsáveis pela produção de saliva. Os sintomas envolvem dor e inchaço na região abaixo da mandíbula inferior, provocando dificuldade em engolir, mal-estar, rigidez na nuca, náuseas e dor de cabeça. Também não possui tratamento específico. É preciso aguardar que o vírus se manifeste e o quadro melhore. Apesar de mais comum na infância, a caxumba pode acometer adultos. Entre homens adultos, pode causar orquite (inflamação dos testículos).

• Sarampo: doença causada por vírus. É contagiosa e provoca infecção no sistema respiratório. A transmissão ocorre por meio de gotículas expelidas por tosse ou espirro de pacientes infectados. Entre os sintomas se destacam: tosse, conjuntivite, febre e manchas avermelhadas pelo corpo. O tratamento requer medicamentos para febre e muito repouso.

• Rubéola: os sintomas e meios de transmissão são muito similares à caxumba e ao sarampo. Ocasionada por um vírus, causa pequenas lesões vermelhas na pele que, geralmente, são acompanhas de febre. A rubéola também é muito perigosa durante a gravidez, pois pode provocar malformações congênitas e, até mesmo, o óbito do feto.

Posts relacionados

Deixe um comentário